13/01/2021 às 23:53 Um pouco de mim

Carta aberta ao meu corpo

246
1min de leitura

Depois de buscar incansavelmente me reencontrar, percebi que já não é mais possível.Não sou mais a mulher que um dia fui. Reencontro? Apenas para matar a saudade e relembrar de partes de mim que já não quero mais.Hoje consigo ver alegria e luz em cada cicatriz que passa imperceptível  pelos olhos não atentos das pessoas que me cercam.Consigo aceitar minhas sombras e imperfeições e não mais tento empurrá-las para debaixo dos tapetes, para impressionar quem não me conhece de verdade.As vezes maré mansa, outras furacão em alto mar. Minha intensidade sempre esteve comigo, porém agora decido a quem vale a pena mostrar.Me transformo a cada dia e não garanto as amanhã serei a mesma que escreve estas linhas.Me renovo, me abraço, me reinvento, me curo e me desperto.Cada dia um pouco mais, a passos lentos e contínuos,  para poder admirar e acompanhar a beleza do meu florescer!

13 Jan 2021

Carta aberta ao meu corpo

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

aceitação amor-próprio autoestima

Quem viu também curtiu

25 de Jan de 2021

Qual a diferença entre autoestima e amor-próprio?

13 de Set de 2017

Sobre Florescer e Existir

03 de Jul de 2017

Brenda

Logo do Whatsapp